PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
17 jul 2016

TV, títulos e bons negócios: como o Sevilla ficou rico


Os títulos e o lucro que o Sevilla acumulou na última década não são obra do acaso. O clube espanhol tem um projeto bem estruturado, com estratégias estabelecidas, e que tem dado certo. De 2005 para cá, a verba arrecada com direitos televisivos, somada aos oito títulos conquistados e a negociações lucrativas de jogadores, fez o caixa sair de 3,4 milhões de euros negativos para 37,4 mi positivos.

“O Sevilla não crescia até começar a trabalhar como uma empresa. Para isso, precisou se estruturar como tal, profissionalizar as áreas de trabalho e estabelecer um modelo de gestão que está acima de qualquer pessoa, seja quem for”, destacou o presidente do clube, José Castro, em entrevista ao Diario de Sevilla, em março.

Segundo ele, o clube teve nove superávits nos últimos dez anos e lucro de 40,8 milhões de euros. O Sevilla conquistou Supercopa da Europa (2006), Supercopa da Espanha (2007), Copa do Rei (2009/2010) e cinco taças da Liga Europa, três delas em sequência (2005/2006, 2006/2007, 2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016).

Com o último título da Liga Europa, por exemplo, conquistado em maio com vitória por 3 a 1 sobre o Liverpool, o Sevilla embolsou um total de 21,5 milhões de euros: 6,5 pelo resultado na final, em si, 3 pela participação na Supercopa da Europa e 12 por garantir vaga na fase de grupos da Champions League.622_942ca5d0-7105-38a3-a6c2-45756a53ce21

Os rendimentos são potencializados pelas cotas de TV. Os direitos televisivos do Campeonato Espanhol já estão definidos para a próxima temporada e o Sevilla vai receber ainda mais que no último ano. Em 2015/2016, embolsou 49 milhões de euros, quinto maior valor, atrás apenas de Barcelona, Real Madrid, Atlético de Madri e Valencia. E assim será em 2016/2017, mas agora com 77 milhões de euros.

Comprar jogadores por uma bagatela e vendê-los por um preço bem acima é outra marca do clube. E exemplos de boas negociações não faltam. O mais recente é o meia polonês Grzegorz Krychowiak, comprado em julho de 2014, junto ao Reims, por 5,5 milhões de euros, e vendido ao PSG no início deste mês, por 33,6 milhões de euros.

ulio Baptista chegou do São Paulo em julho de 2003, por 3,5 milhões de euros, e saiu para o Real Madrid dois anos depois, por 20 milhões de euros. Daniel Alves foi comprado do Bahia em janeiro de 2003, por 550 mil euros, e vendido ao Barça em julho de 2008, por 35,5 milhões de euros.

Vidal veio do Almeria em julho de 2014, por 3 milhões de euros, e foi repassado ao Barcelona um ano depois, por 17 milhões de euros. Outro exemplo é Rakitic, comprado do Schalke em janeiro de 2011, por 2,5 milhões de euros, e vendido ao Barça em julho de 2014, por 18 milhões de euros.

A mais nova contratação do São Paulo, que pode entrar no grupo dos valorizados, é Paulo Henrique Ganso. O meia foi oficializado como novo reforço do Sevilla neste sábado, contratado junto ao São Paulo por 9,5 milhões de euros (R$ 34,4 milhões).

   Fonte: ESPN

Comentários

Nome

E-mail

Comentário