PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
5 fev 2016

Saulo Fernandes diz que não vai cantar hit “Metralhadora”: “ficaria sem graça”


A música “Paredão Metralhadora” está na boca do povo e de quase todos os artistas, mas não entrará no repertório de Saulo durante o Carnaval. O artista disse nesta sexta-feira (05) que não cantará a música. “Eu não, não por nada não, mas acho que ficaria sem graça tocar, todo mundo já toca, então a galera que vem aqui já sabe, deixa Saulo lá quietinho, ele é barbudo, ele  pai de família”, argumentou, enquanto aguardava a saída do seu trio na Barra.

Questionado sobre o seu hit preferido da folia ele diz que torce para Ed City e Igor Kannário. “Torço para esses caras porque eu acho que a música da Bahia é cantada verdadeiramente por eles. ‘Pai, aqui não vê bicho com nada’, ‘E aí, é nós’, acho que eles representam e representar é tudo”, defende o artista que desfilou hoje mais uma vez sem cordas, depois de participar da abertura do Carnaval, no centro da cidade.

RTEmagicC_12669304_1043399562390918_2100188504_o.jpg

Apesar de não puxar nenhum bloco esse ano e vir trilhando uma trajetória onde se aproxima cada vez mais do folião pipoca, ele não descarta a possibilidade de voltar a sair com cordas. O artista disse que não sabe do futuro, mas que acredita nesse movimento dos independentes. “Tive muito tempo de bloco, então não vou ser ingrato agora. Eu tenho muito respeito. Aprendi a cantar em trio elétrico e em bloco, na época do Eva, então eu estou aí. Eu gosto do equilíbrio”, diz.

Sobre o movimento sem corda, ele considera que um modelo não invalida o outro.”É uma movimentação natural que está acontecendo. Acho que a gente está vivendo dias e épocas de muito mais democracia, cada vez que a coisa fica difícil a gente tem que gritar por democracia. É aí que se estabelece a igualdade. Acho que o Carnaval é para isso, para a gente esquecer as mazelas, abraçar o outro e dizer: ‘não interessa de onde você veio ou de onde você é, vamos ficar junto aqui, vamos dançar essa música”.

  Fonte: IBhaia 

Comentários

Nome

E-mail

Comentário