PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
17 nov 2017

Pedidos para suspender processo contra quadrilhão do PMDB vão ao plenário do STF


Oministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu encaminhar ao plenário da Corte a decisão sobre os pedidos de suspensão do processo contra integrantes do chamado ‘quadrilhão do PMDB na Câmara’. Esse é o inquérito que resultou na denúncia por organização criminosa oferecida pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra sete expoentes do partido, entre eles o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Após a Câmara dos Deputados rejeitar o prossegguimento da investigação contra Temer e os ministros, Fachin havia decidido enviar o processo contra os denunciados do PMDB que não possuem prerrogativa de foro privilegiado para o juiz Sérgio Moro, em Curitiba. O juiz da Lava Jato, desse modo, herdaria o inquérito contra os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves; contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima; e contra o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures.

Em despacho assinado nessa quinta-feira (16), o ministro Fachin relatou o recebimento de diversas manifestações das defesas dos investigados pedindo a revisão da decisão de desmembrar o processo. A própria defesa do presidente Michel Temer pediu a “reconsideração” dessa medida.

As desfesas de Geddel Vieira Lima e de Eduardo Cunha também pediram para as investigações permanecerem no Supremo, e reclamaram ainda a suspensão do processo até janeiro de 2019, quando o inquérito contra Temer poderá ser retomado devido ao fim de seu mandato na Presidência.

“Tendo em vista as insurgências manifestadas contra a decisão proferida de forma conjunta, determino a abertura de vista (também conjunta) dos autos, facultando à Procuradoria-Geral da República oferecer contrarrazões, no prazo único e impreterível de cinco dias”, determinou o ministro Fachin.

Após esse período, decidiu o magistrado, as questões deverão “retornar imediatamente e com prioridade” ao Supremo, para a “pronta inclusão” na pauta do plenário. Cabe à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, agendar a data para o julgamento.

Joesley Batista e Ricardo Saud

Também reclamaram do envio das investigações para o Paraná as defesas de Joesley Batista e Ricardo Saud, do grupo J&F. Os dois não constam da denúncia por participação em organização criminosa, mas são acusados junto a Temer de praticar crime de tentativa de obstrução à Justiça. O crime teria se configurado na suposta tentativa de comprar o silêncio do doleiro Lúcio Funaro.

Já o crime de organização criminosa imputado ao ‘quadrilhão do PMDB na Câmara’, segundo a PGR, ocorreu a partir de 2006 quando os integrantes do partido se organizaram para o “cometimento de uma miríade de delitos” contra a administração pública. De acordo com a denúncia de Janot, o grupo teria arrecadado ao menos R$ 587 milhões em propinas mediante atividades ilícitas que tiveram como alvos, especialmente, a Petrobras, a Caixa Econômica Federal, a Câmara dos Deputados, três ministérios do governo e a estatal de energia Furnas.

 Fonte: iG

Comentários

Nome

E-mail

Comentário