PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
6 mar 2017

Para que construir gaiolas para quem o céu é o limite? Uma crônica de Carlos Alves


Não roubes a minha liberdade

 

                            Por Carlos Alves

 Não roubes a minha liberdade, certamente diria o pássaro se falasse — solte – me, covarde! Por Que me prendes? Não sabes que minha gaiola é o céu? Quero voar, voar! … Assim personifica, o poeta das estrelas, Olavo Bilac, em tons mais leves como a pena, e suaves como o próprio voo do pássaro, libertando-se de sua poesia regrada. Os pássaros, naturalmente, são livres e nasceram para voar. Não os roubem a sua liberdade. Assim, como nós, em gestos naturais: falamos, andamos, pegamos. Prendê-los, é como se alguém cortasse alguns de nossos membros. A liberdade para mim, sempre esteve no topo da lista de minhas palavras preferidas, decerto, tem a ver com o meu gosto de voar mundo a fora e da minha inveja que sinto do livre voo dos pássaros. O direito de ir e vir é sagrado. Assim, como é sagrado o direito dos pássaros de sobrevoar a enfeitar o céu. É sagrado porque não é regido por nenhuma constituição. Bem como nosso direito de andar e de falar, ainda que esses possam se limitar em determinadas situações e espaços.

O canto do pássaro preso, suplica por libertação. O céu é sua gaiola, ou seja, não há gaiolas. Decerto, os artesões preferem o céu como morada, mas, como aconchego: o ninho, que eles próprios constroem, magnificamente. E que, quando criança, nós os destruíamos, inocentemente, talvez! A imagem não foge à minha cabeça: o pássaro sobrevoando, procurando o ninho. “Foi aqui que edifiquei! Tenho certeza que foi aqui, mas cadê?” Gorjeia ele atordoado voando para lá e para cá. Até que desiste e parte para procurar em outros limbos. E os ovos ao chão, em sua desintegração definitiva do ar! … Os meninos não sabiam do mal que fizeram, também, adulto nenhum os alertavam de que não se podia destruir o conforto dos passarinhos. Nem poderiam, porque os adultos constroem a morada para as aves. Porém, essa morada tem grades, tem portas, e as janelas não dão ao céu.

Para que construir gaiolas para quem o céu é o limite? Por que prender os pássaros?  Eles não mataram, não roubaram, não levantaram falsos testemunhos, nem desobedeceram a Deus, sequer usaram o nome de Deus em vão, se bem que, isso não dá cadeia. Nenhum crime eles cometeram. Além do que, o homem não faz parte de sua sociedade, nem do seu espaço para torna-se juiz de direito para decidir por eles. Por que, então, construir cadeias para prendê-los? O máximo que eles fazem é comer o plantio e defecar na cabeça do homem, conquanto, a natureza é tão perfeita, que pior seria se fosse uma vaca que voasse. A verdade é que, o homem ainda não se libertou daquilo que prende sua alma e sua consciência: o respeito. E ainda vive preso em sua gaiola de solidão, de amor e de ignorância.

Carlos Alves Vieira é professor, formado em Letras pela UFCG, pós graduado em Literatura e Ensino pelo IFRN. Atualmente, escreve também para o site Uiraúna.net crônicas e Memórias Literárias.

Comentários

Nome

E-mail

Comentário