PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
12 fev 2015

Mais da metade dos trabalhadores da Paraíba são informais, diz MTE


be55b306e34639ae0dc08dd36054cde7Mais da metade dos trabalhadores da Paraíba estão na informalidade. Conforme estudo divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com base dados do Censo do IBGE, a taxa de informalidade paraibana chega a 50,4%. O percentual faz da Paraíba o quarto estado do país com maior número de trabalhadores informais, atrás apenas do Maranhão, Piauí e Pará.

O superintendente regional do Trabalho e Emprego na Paraíba, Rodolfo Ramalho Catão, afirmou que São Bento é o município paraibano com maior incidência de trabalhadores informais nas empresas. A situação no local, de acordo com ele, é considerada crítica. Este problema chega, em média, a 80% do total de empreendimentos existentes na cidade.

“A situação em São Bento é crítica, acredito que a informalidade chega a 80%. O pior é que os trabalhadores são coniventes com esta situação. Eles preferem não ter carteira assinada para não ter os descontos previstos em lei”, frisou Catão. Os setores que mais contratam empregados informais no Estado são comércio e construção civil, de acordo com o MTE. O segmento de empregada doméstica também se destaca neste tipo de infração.

Para combater a sonegação dos valores do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e contratação sem carteira assinada, o MTE lançou uma campanha nacional. Devido a essa força-tarefa, a Paraíba vai receber reforços de auditores fiscais. O superintendente regional do trabalho, Rodolfo Catão, contou que atualmente existem na Paraíba 51 auditores fiscais e desse total apenas 15 são responsáveis por fiscalizar a parte documental das empresas em todo o Estado.

“Com o número pequeno de auditores fiscais na Paraíba, o ministério irá enviar reforço de pessoal e novas ferramentas de fiscalização, porque não podemos parar as atividades que estão em andamento, como é o caso dos trabalhadores da construção civil. Eles correm risco de vida. Para abranger uma ação maior, precisamos de reforço”, afirmou Catão.

G1 -PB

Comentários

Nome

E-mail

Comentário