PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
13 set 2017

Maioria do STF vota para manter Janot em investigações contra Temer; siga


Ao analisar o pedido apresentado pela defesa do presidente Michel Temer para que seja decretada a suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em casos envolvendo o peemedebista, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin manteve nesta quarta-feira (13) a decisão de regar o pedido.

Na sessão da Corte desta tarde, Fachin, que é relator do caso, manteve a rejeição do pedido da defesa de Temer e entendeu que Janot não é parcial na condução das investigações. Essa já é a segunda reclamação levada por Temer ao STF contra Janot, que permanece à frente da PGR somente até o fim desta semana.

janot

Após o voto de Fachin, oito ministros proferem seus votos. Até agora, a maioria já votou pela permanência de Janot à frente das investigações. Luís Roberto Barroso, que participa nesta semana de uma viagem acadêmica aos Estados Unidos, não votará.

Delação JBS

Além de decidir se o procurador-geral pode ou não atuar em casos contra o presidente, os ministros do Supremo também devem se debruçar hoje sobre questões acerca da validade de provas apresentadas por delatores da JBS – tema que já motivou troca de farpas entre ministros do Supremo.

Os dois assuntos na pauta da Corte estão encadeados, uma vez que representam artifícios da defesa do presidente Michel Temer tentar barrar eventual nova denúncia contra o peemedebista .

Os advogados do presidente pedem que seja suspenso o andamento de uma nova denúncia a ser oferecida por Janot até que sejam analisadas supostas irregularidades no acordo de colaboração premiada de executivos do grupo J&F.

O pedido foi encaminhado ao plenário pelo relator da matéria, ministro Edson Fachin, que também decidiu submeter ao colegiado o agravo da defesa de Temer que questiona a atuação de Janot na condução de investigações contra o presidente.

O advogado que representa o peemedebista alega, pela segunda vez, que o chefe do Ministério Público Federal age com “motivação pessoal” contra Temer e “extrapola os limites constitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa”.

Ao subir à tribuna da Corte, o advogado Antônio Claudio Mariz, representante de Temer, disse que a prisão dos empresários Joesley e Wesley Batista, cujas delações baseiam as acusações, podem indicar que Janot não teve os devidos cuidados na investigação. “Fatos que vieram à tona” demonstram “de forma cabal” os enganos cometidos pelo procurador. O advogado afirmou que os dois delatores estão presos e que confessaram que mentiram, segundo o advogado.

“Não houve por parte do presidente da República, ao contrário do que afirma a denúncia, não houve nenhuma ação em que ele, presidente de República, tivesse solicitado, recebido, favorecido ou aceitado qualquer benesse, elementares do crime de corrupção”, afirmou Mariz.

O primeiro pedido de suspeição de Janot foi rejeitado por decisão monocrática do ministro Fachin.

Fonte: iG

Comentários