PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
2 nov 2018

Impasse no pagamento de TV afeta os clubes na reta final da Série B


As preocupações com a reta final da Série B não estão restritas ao que ocorre dentro de campo. Um impasse entre Coritiba, Grupo Globo e CBF sobre o pagamento de direitos de transmissão afetou boa parte dos clubes que participam da competição.

Segundo informações divulgadas pelo UOL e confirmadas pelo LANCE!, o imbróglio começou porque o Coritiba não teria aceitado a prorrogação do contrato até 2022. Após a decisão do Coxa, 18 clubes que disputam a Série B teriam deixado de receber o valor da mais recente parcela.

O L! traz um panorama da situação envolvendo os clubes, CBF e Globo. Embora haja margem para diálogo, a paralisação da Série B a poucas rodadas do fim da competição não está totalmente descartada.

COXA SE MANIFESTA APÓS IMPASSE

Após a repercussão do impasse na imprensa, o Coritiba emitiu nota oficial na última quarta-feira, na qual explicou sua recusa do novo acordo. Em informe divulgado no site, o clube apontou que “o termo apresentado ao Coritiba previa prazo de 2018 a 2022, caso em que a adesão impediria qualquer outra negociação com a Globo referente à Série B nesse período”. Além disto, o Coxa já selara um contrato em março deste ano com o Grupo Turner (à época, donos do Esporte Interativo) para o ano de 2019.

A alternativa do clube foi aderir em 20 de setembro “ao contrato coletivo apenas para 2018, documento que não foi aceito pela Globo para viabilizar o repasse à CBF e clubes”.

Sobre o termo de adesão solicitado pela Globo, o alviverde ainda disparou: “O Coritiba possui contrato individual de cessão de direitos de transmissão com a Globo referente à Série B de 2018, motivo pelo qual juridicamente não poderia ceder os mesmos direitos duas vezes”.

O Coritiba e o Goiás têm um vínculo diferente com a emissora, por já terem disputado a elite do futebol nos últimos anos. Enquanto isto, os demais clubes recebem, por ano, R$ 8 milhões entre cota fixa e verba de logística. O “rateio” é repassado pela CBF.

Mandatário do Goiás (que, ao contrário do Coritiba, aceitou os termos para uma prorrogação do contrato até 2022), Marcelo Almeida confirma que o clube não foi prejudicado financeiramente. Mas se sensibiliza diante da situação dos demais clubes que disputam da Série B:

– Fiquei sabendo desse assunto pela imprensa. Não fomos contatados nem pela Globo, nem pelo Coritiba e nem por qualquer outro clube. Espero que o problema seja resolvido o mais rápido possível para que não prejudique o andamento do campeonato.

O dirigente valorizou a boa parceria do Esmeraldino com a emissora:

– O contrato entre Globo e Goiás foi celebrado há vários anos e nunca tivemos nenhum impasse. Estamos com o nosso recebimento em dia. Estou acompanhando esse problema que por enquanto não nos afetou.

FOLHA SALARIAL, RENOVAÇÕES… PARALISAÇÃO? TENSÕES NOS CLUBES!

A falta de repasse da parcela deste mês despertou preocupação entre os clubes que não receberam. Segundo o L! apurou, representantes das 18 agremiações vêm se reunindo com a CBF e a Globo para chegarem a um acordo.

Presidente do Paysandu, Tony Couceiro detalhou as reivindicações dos clubes e foi incisivo em sua postura:

– Os clubes estão conversando com a CBF e não aceitam a posição da Globo. Ainda não se tem uma posição do que vai acontecer, mas os clubes estão unidos, nenhuma solução está descartada.

O mandatário destacou uma preocupação que une os clubes:

– Todos os clubes estão muito preocupados e terão muita dificuldade de fechar suas contas sem esses valores, que são valores que estavam previstos no orçamento dos clubes desde o início da competição.

Mandatário do Fortaleza, que é líder da competição, Marcelo Paz também desabafou:

– É uma situação que gera desconforto, sem dúvida. Ficou combinada antes da competição a divisão dos valores e, com isto, todos os clubes já fizeram seus respectivos planejamentos considerando a verba da televisão. Não contar com ela pode gerar um grande problema financeiro. Ninguém em sã consciência podia imaginar isso.

O dirigente do Tricolor do Pici tem uma expectativa mais otimista quanto ao desfecho do impasse e não vê na paralisação da competição a melhor saída:

– Espero que o bom senso prevaleça. Creio que esta possibilidade de paralisação seria muito extrema. Prejudicaria a grade de televisão, o espectador, os jogadores… Confio que o diálogo seja a melhor saída.

Presidente do Vila Nova, Ecival Martins destaca como a ausência da verba repassada tem afetado os clubes:

– A maioria dos clubes tem receita pequena. Por isto, os valores repassados pela Globo são fundamentais para a gente formar times competitivos e dar condições para que todos os jogadores trabalhem. Eu entendo que nós,  CBF e a Globo vamos chegar a um consenso. Estamos muito preocupados com o fechamento de nossas contas!

Do lado do Atlético-GO, o dirigente Adson Batista crê que os demais clubes não têm nada a ver com o impasse entre Coritiba e Rede Globo:

– Se o Coritiba não assinou, o problema é do Coritiba! Nenhum de nós está de acordo com o que está acontecendo com os clubes. Fazemos um planejamento para a Série B, contamos com estes valores e deixam de pagar a última parcela por isto? Chega a nos constranger!

Gestor do Londrina, Sergio Malucelli lamenta o fato acontecer justamente às vésperas da temporada acabar:

– Além do impasse não ter a ver com nenhum dos outros clubes, não dá para Globo e CBF chegarem no último mês e anunciarem que deixarão de pagar os direitos. A gente tem de arcar com décimo-terceiro, férias, renovações. Fazemos um planejamento mês a mês para a Série B! Além disto, precisamos dos direitos da cota para as passagens das últimas rodadas, não temos como arcar com estas despesas.

Presidente do Oeste, Ernesto Garcia também afirmou que o jurídico do clube será acionado para avaliar o caso:

– Nós assinamos o contrato para 2018. Está firmado, vão ter de pagar. Vamos trabalhar com muita cautela. O Coritiba não tem culpa desta situação envolvendo a gente, mas não podemos ser prejudicados.  Esperamos o bom senso.

CLUBES SE MANTÊM ABERTOS AO DIÁLOGO

Cogitando paralisar a Série B apenas “em caso extremo”, os clubes ainda mostram confiança em um acordo:

– A gente está aguardando. Não é justo em uma hora dessas aparecer esta decisão de retirar nossos valores. O caminho mais correto é procurar a Globo e a CBF, chegarmos a um acordo. Todos estamos preocupados, os clubes terão muita dificuldade de fechar o ano sem esses valores (da parcela que se queixam de falta) – diz o dirigente do Boa Esporte, Rildo Moraes.

Presidente do Figueirense, Claudio Vernalha exaltou o bom relacionamento com os clubes e a expectativa para que tudo se resolva:

– Exista uma conversa saudável para que tudo seja solucionado. As conversas têm sido diárias entre os clubes, acreditamos que o melhor caminho é a gente ir para o diálogo mesmo. Uma paralisação seria descabida.

No mesmo tom está Roberto Tonietto, presidente do Juventude:

– Nossa expectativa é de que tudo se resolva da melhor forma possível. Estamos em contato frequente com os clubes e acreditamos que, em breve, todos nós vamos chegar a este acordo quanto aos valores.

Segundo Francisco Battistotti, presidente do Avaí, medidas drásticas só prejudicariam os clubes:

– Sou contra esta situação de paralisar a competição, até pelo regulamento. Não vejo isto como melhor saída para resolver o assunto.

Procurados pelo LANCE!, os presidentes de CSA, Guarani, Ponte Preta e São Bento não quiseram se manifestar. Já os mandatários de CRB e Brasil de Pelotas não foram localizados até o fechamento desta reportagem, enquanto o dirigente do Criciúma não pôde responder às nossas ligações.

GLOBO E CBF DÃO SEUS RESPECTIVOS PONTOS DE VISTA

 

Procurado pelo L!, o Grupo Globo não deu detalhes sobre as tratativas de contratos com os clubes. Porém, disse que em nenhum momento recebeu informação sobre risco de paralisação da Série B:

“Não fomos informados sobre qualquer intenção de paralisação dos clubes e, em respeito à confidencialidade do contrato com CBF e clubes, não consideramos apropriado expor aqui detalhes de termos e mecânicas contratuais. De qualquer forma, reforçamos que todos os temas contratuais são de pleno conhecimento das partes contratantes”.

Secretário-geral da CBF, Walter Feldman disse que a entidade está disposta a contribuir para solucionar o impasse:

– Estamos em contato permanente com os clubes em busca de uma solução tranquilizadora.

Presidente do Sampaio Corrêa, Sérgio Frota revelou a expectativa para que venham novidades na próxima semana:

– O objetivo dos clubes é mostrar que, com as leis do Profut e Fair-play Financeiro, é fundamental termos estes valores para nossas receitas. Como isto pode ser mudado assim, de uma hora para a outra? Não é nada contra ninguém. É só questão da Globo cumprir o que está escrito! Confiamos que a partir da próxima segunda-feira, já tenhamos boas notícias sobre isto.

 

Fonte: Lance!

Comentários

Nome

E-mail

Comentário