PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
6 jun 2018

Ex-MTV, apresentadora revela depressão: “Tinha vontade de morrer”


Gente famosa também sofre com depressão e todos os males que podem vir com a doença, inclusive pensamentos suicidas. Uma prova disso é a ex-apresentadora da MTV Cuca Lazarotto.

Em conversa franca, ela revelou que luta contra depressão há quatro anos. Em entrevista ao programa “Morning Show”, da rádio Jovem Pan, a apresentadora e produtora musical decidiu contar pela primeira vez sobre seu tratamento porque “as pessoas ainda não respeitam nem reconhecem” a doença como um grave problema de saúde.

E abriu o coração: “Em 2014, não parava de trabalhar e estava absolutamente esgotada. Tinha dor no corpo inteiro e vivia tomando anti-inflamatório e analgésico para conseguir ficar em pé. Estava cansada, exausta, sem vontade de viver, sem energia para sair da cama, mas tinha que sair, sem vontade de ver ninguém, falar com ninguém, estar com ninguém. Não tinha vontade de nada”, declarou.

E disse que foi atrás de ajuda: “Procurei uma amiga psicóloga, que conhece minha alma. Ela falou que eu estava com depressão e que eu precisava me tratar”.

Mas o “fundo do poço”, segundo ela, veio após a morte de sua mãe, em 2015. Em estado “grave” e “crítico”, ela foi encaminhada pela psicóloga a um psiquiatra, que receitou medicamentos para insônia e depressão. Cuca ainda confessou ter pedido para morrer.

“Como a maioria das pessoas no mundo, meu marido tinha muita dificuldade de entender o que acontecia comigo. Numa noite, joguei a toalha. Sou uma pessoa de muita fé. Conversei com Deus e falei: ‘Amigo, não quero mais, não vou fingir que consigo, deu para mim’. Se eu pensei em tirar minha vida? Isso nunca porque acredito que não tenho esse direito, mas pedi para morrer. Pedi mesmo”.

Medicada até hoje, ela afirmou: “Eu ainda tomo, diminuindo a dose. Essa sensação, essa descoberta teve dois lados muito importantes. Um horrível, ‘eu sou doente’, outro ‘nossa, tudo isso tem explicação, que bom! Eu não sou louca, não sou chata, não sou fraca, não sou incompetente, incapaz, irresponsável, burra’, tantas coisas que ouvi e me senti nesse momento e a vida inteira”.

E finalizou: “Que alívio! Eu tenho explicação. Se eu tiver que tomar isso o resto da minha vida eu vou tomar, porque não vou voltar para aquele lugar. Hoje eu posso dizer que é muito importante a gente pedir ajuda, reconhecer que está doente e e querer se levantar, querer sair daquele lugar”.

 

Fonte: TV Foco

Comentários

Nome

E-mail

Comentário