PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
26 dez 2017

Em ano de ‘vacas magras’, Brasil vê sopro de otimismo para Tóquio-2020


O esporte olímpico brasileiro teve uma largada de poucos investimentos, mas de algumas boas notícias no primeiro ano do ciclo que vai até os Jogos de Tóquio-2020. Atletas consagrados se reafirmaram, e modalidades até então fora do radar mostraram sua cara.

Após o fim da Rio-2016, a fuga de patrocínios foi uma dor de cabeça para diversas confederações e esportistas, acostumados a receber fartas premiações. Mas os resultados ficaram longe de ser uma catástrofe.

Judô e vôlei mantiveram a tradição. Mayra Aguiar foi o destaque no tatame, ao selar o bicampeonato mundial na categoria até 78kg em Budapeste (HUN), em julho. Nas quadras, as renovadas Seleções não decepcionaram. Em torneios internacionais, foram dois ouros e uma prata para as mulheres, e um ouro e uma prata para os homens.

Na natação, Etiene Medeiros, com o ouro inédito nos 50m costas (não olímpica), e Bruno Fratus, com prata nos 50m livre e 4x100m livre, lideraram a recuperação do esporte, que decepcionou em 2016.

O tenista Marcelo Melo fez um ano dos sonhos, com título histórico em Wimbledon e o primeiro lugar no ranking de duplas da ATP, ao lado do polonês Lukasz Kubot, e no de melhor duplista da temporada.

Já nas modalidades menos badaladas, Ana Sátila, da canoagem slalom, Henrique Avancini, do mountain-bike, e Ygor Coelho, do badminton, chamaram a atenção.

A mineira de 21 anos faturou a primeira medalha do Brasil em um Mundial em seu esporte, o bronze na C1, que será olímpica em Tóquio, e uma prata no K1, que ainda não está no programa dos Jogos.

O carioca Ygor, de 21 anos, alcançou a melhor posição de um brasileiro no ranking mundial, um 31 lugar, no mês de novembro.

Avancini, por sua vez, conquistou o quarto lugar inédito no Mundial de MTB, em Cairns (AUT).

– Fiz uma temporada muito mais tranquila, mas não quer dizer que trabalhei menos. Isto é a maturidade esportiva – disse Avancini.

Outros destaques que reafirmaram sua condição de favoritos a pódios foram Isaquias Queiroz, com o bronze no Mundial de canoagem velocidade (C1-1000m), e Ana Marcela Cunha, com ouro na prova dos 25km da maratona aquática em Budapeste, e os bronzes nos 5km e 10km.

– Precisaremos de leque maior de modalidades em condições de alcançar finais olímpicas e, consequentemente, ter mais chances de medalhas – disse Jorge Bichara, gerente-geral de Alto Rendimento do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

O handebol feminino, por outro lado, deixou a desejar. Campeão mundial em 2013, o Brasil se despediu do torneio na 18ª colocação.

O basquete, em reconstrução, também acumulou resultados frustrantes, na Copa América: um 10º lugar entre os homens e um quarto lugar entre as mulheres, que ficaram fora do Mundial da Espanha.

QUEM MAIS BRILHOU

Mayra Aguiar
Dona de dois bronzes olímpicos (Londres-2012 e Rio-2016), a judoca se sagrou bicampeã mundial na categoria até 78 kg, repetindo o feito de 2014.

………………….

Marcelo Melo
O tenista faturou, em julho, o título de Wimbledon ao lado do polonês Lukasz Kubot, feito inédito nas duplas. O país não ganhava o torneio desde 1966, com Maria Esther Bueno.

………………….

Etiene Medeiros
Ela se tornou a primeira mulher brasileira campeã mundial nas piscinas, nos 50m costas (não olímpica).

………………….

Bruno Fratus
Faturou duas pratas no Mundial: 50m livre e revezamento 4x100m.

………………….

Seleções de vôlei
Os homens levaram o ouro na Copa dos Campeões e a prata na Liga Mundial. As mulheres conquistaram o Grand Prix e Montreux, e foram vice na Copa dos Campeões.

………………….

Ygor Coelho
Atleta do badminton alcançou, em novembro, a 31ª posição no ranking mundial, um feito inédito no Brasil.

………………….

Ana Marcela Cunha
Conquistou três medalhas no Mundial de Budapeste em 2017: um ouro (25km) e dois bronzes (5km e 10km).

 

Fonte: Lance!

Comentários

Nome

E-mail

Comentário