PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
4 dez 2015

Carro elétrico brasileiro sairá do papel após ‘vaquinha virtual’


ambiente_1920_-_credito_signia_digitalDepois de 3 anos de estudo e uma campanha de financiamento coletivo que quase “bateu na trave”, um grupo de engenheiros e empreendedores brasileiros conseguiu R$ 75 mil para construir um carro urbano totalmente elétrico para 2 pessoas, em uma plataforma própria.

O primeiro PodCycle terá motor elétrico de 50 kW, o equivalente a cerca de 68 cavalos de potência, que empurrarão o carro a no máximo 100 km/h. Com uma carga na bateria 96V de lítio ele poderá rodar até 100 quilômetros.

O pequeno elétrico brasileiro pesará apenas 650 kg e terá apenas 2,6 metros de comprimento. Mesmo com dimensões reduzidas, será possível levar bagagem razoável no porta-malas de 200 litros.

A iniciativa é de um grupo de pelo menos 19 pessoas de diferentes áreas, que trabalham de forma colaborativa desde uma competição de mecânica na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis (SC).

chassi_podcycle_-_credito_signia_digital

Financiamento coletivo

Depois de muito estudo, a ideia precisava de investimento para “pegar no tranco”. Sem muito interesse de grandes empresas, a saída foi lançar uma campanha de “crowdfunding” – a “vaquinha” virtual – para captar R$ 68 mil e finalizar o primeiro protótipo.

Faltando apenas 2 dias para o final do prazo, o valor foi atingido, graças ao apoio de 345 pessoas, que receberão recompensas que vão desde um chaveiro até uma voltinha no carro durante a turnê de demonstração em 2016.

Quase metade dos quase R$ 75 mil arrecadados irá para a construção do chassis e da carroceria, enquanto 18% será consumido pelo alto valor da bateria. A expectativa é fazer os testes finais em maio e colocar o carro para experimentação em julho.

podcycle_ficha

Mais mobilidade

O PodCycle é muito mais focado em mobilidade do que no carro como produto de consumo, como explica o engenheiro mecânico Mahatma Marostica, de 31 anos. “Veículos elétricos são mais simples de produzir do que os a combustão. É uma tecnologia que vai migrar para as grandes montadoras, mas elas ainda vão demorar por causa do tamanho. A tecnologia já está madura e podemos pegar um atalho, oferecendo um bem de capital”, afirmou Marostica.

Isto quer dizer que ele não será colocado à venda. Depois da turnê pelo Brasil para tentar conquistar investidores de peso, o modelo elétrico será usado de forma compartilhada, ou seja, um aluguel curto apenas quando o usuário tiver necessidade, deixando o carro para o próximo quando finalizar a viagem.

Mesmo entre os norte-americanos, que criaram e propagaram a cultura do carro como um símbolo de ascensão social, o número de adeptos ao chamado “carsharing” deve dobrar de pouco mais de 1 milhão em 2013 para 2 milhões em 2016, segundo a consultoria Alix Partners.

No mundo inteiro, o número deve crescer dos atuais 6,5 milhões para 26 milhões em 2020, conforme estudo recente da Berg Insight. Mas no Brasil, o sistema de compartilhamento encontra dificuldades para se tornar comum.

Marostica vê uma mudança inevitável na forma como o veículo é usado comercialmente na sociedade. “É como a histórias das fitas VHS (antes do DVD), que custavam US$ 75 cada uma quando foram lançadas. Aí veio a Blockbuster e resolveu alugar em vez de vender. O carro elétrico vai seguir o mesmo modelo”, afirma.

img-20151124-wa0005_2

Chassis ‘skate’

Mais do que um minicarro urbano, a ideia primordial do PodCycle é ser uma plataforma para diferentes usos e situações. A primeira carroceria, que lembra um Smart, foi desenhada voluntariamente por um estúdio de design, mas ele pode ser um “buggy” ou até um SUV.

Já no ano que vem, o grupo vai abrir todo o desenvolvimento da plataforma para quem quiser criar outras modalidades do PodCycle. No futuro, a fabricação dos veículos elétricos sobre o chassis modular brasileiro poderá ser feita pelo sistema de franquias.

“Não teremos uma grande montadora central. A experiência com produção de baixa escala e a modularidade permitem isso. O interessado em ter uma microfábrica receberá os conjuntos pré-montados diretamente dos nossos fornecedores e monta o carro”, explica o engenheiro.

De acordo com Marostica, o PodCycle é projetado para atender todas as exigências da legislação, como obrigatoriedade de airbags, freios ABS e normas de testes de colisão. Atualmente, cada modelo tem um custo estimado de R$ 95 mil.

Em 2017, o grupo espera ter mais unidades fabricadas para iniciar o serviço de compartilhamento em Florianópolis, dentro de um modelo que já é testado com carros a combustão. O projeto já recebeu incentivo de fundos de amparo à pesquisa e de empreendedorismo.

Comentários

Nome

E-mail

Comentário