PUBLICIDADES
PUBLICIDADE
  • Facebook do Uirauna.net
  • Twitter do Uirauna.net
  • Canal do youtube do Uirauna.net
  • Instagram do Uirauna.net
  • Whatsapp do Uirauna.net
  • Feed do Uirauna.net
1 jun 2015

A cada R$ 100 em compras pela web na PB, R$ 5 são tentativas de fraude


akkNa Paraíba, a cada R$ 100 comprados pela internet no ano passado, R$ 5,86 foram tentativas de fraude. O levantamento faz parte do Mapa de Fraude no Brasil 2014, apontando crescimento de 1,1% no índice estadual, comparado ao ano de 2013. Naquele ano, a cada R$ 100 em compras, R$ 4,76 eram de golpistas.

As tentativas de fraude acontecem de variadas formas. Em geral, os criminosos conseguem dados das vítimas através de um site falso, invadindo remotamente o computador, roubando uma carteira ou fazendo uma cópia do cartão de crédito.

A empresa antifraude elaboradora do estudo, ClearSale, aponta que apesar de ser o principal alvo das ações criminosas, o cartão de crédito ainda é o método mais seguro nas transações e-commerce.

O Mapa da Fraude 2014 constatou que o índice de tentativas de fraude subiu de 6,09% em 2013 para 7,18%, ou seja, entre sete e oito em cada 100 transações. Em todos os nove estados da região Nordeste o aumento também foi identificado.

O levantamento feito pela empresa de segurança começa no ato da tentativa de fraude. “O que a gente faz é saber se a compra finalizada é feita realmente pela pessoa. Entre o clique do comprador e a efetivação da compra, nosso procedimento de segurança verifica se a aquisição pode ser validada. Damos o ‘ok’ para a operação ou, em alguns casos, reprovamos. Aí, por exemplo, contatamos o proprietário do cartão e a loja faz o bloqueio. Cerca de 80% das transações na internet passam por esse método”, explica o gerente de Inteligência da ClearSafe, Omar Jarouche.

Ainda de acordo com o especialista, a compra utilizando o cartão de crédito se configura como o melhor método para compras online. “Apesar da incidência, o cartão de crédito ainda é o meio mais seguro. Também é o mais fácil de minimizar a perda e conseguir o dinheiro de volta, pois o prejuizo é do varejista”, explica Jarouche.

Comentários

Nome

E-mail

Comentário